quarta-feira, 13 de abril de 2011

Noivas se casam com vestidos das mães

Escolha requer esforços, adaptações e um pouco de sorte, mas homenagem à família dá significado ainda mais especial à cerimônia

Em vez de inspirar-se nas vitrines modernas, há quem prefira modelos desenhados há pelo menos 20 ou 30 anos atrás: noivas que escolhem subir ao altar com o mesmo vestido usado pelas mães no dia do casamento. Mais do que resgatar um momento especial vivido pelos seus pais, as filham fazem uma homenagem à família e dão significado especial à cerimônia.

Angelica Silva Morais, do Rio de Janeiro, já tinha alugado o vestido de noiva quando, dois meses antes do casamento, se deparou com o de sua mãe. Não pensou duas vezes: “É com ele que quero me casar”. E não poupou esforços para isso. Perdeu o dinheiro do aluguel já investido e dedicou-se a perder nove quilos em dois meses. Acabou fazendo poucos reparos e guardou a surpresa para toda a família. Ao entrar na igreja, em 2008, o pai e suas tias reconheceram o vestido e o momento se tornou ainda mais emocionante. Mas ela não tinha apenas uma surpresa.

“Para completar, eu quis me casar de tênis All-Star, porque o meu marido estava de tênis quando a gente se conheceu”, conta Angelica. Ela entrou de tênis rosa e ele, de preto. Angelica inovou na grinalda, sem o longo véu de 1973, ano que sua mãe, Lenir, se casou. Assim, embora estivesse com o vestido da mãe, a noiva personalizou seu look.

Do baú
Irene nasceu para ser costureira. Fez seu primeiro vestido de noiva aos 11 anos. Como era de se esperar, ela costurou o modelo de todas as suas primas e amigas. Quando chegou a sua vez, caprichou. Pensou em um modelo diferente de todos que ela já havia feito. Criou e o produziu em cinco dias. “Antes mesmo de ver o vestido da minha mãe, eu já queria um modelo com renda nordestina, mais simples”, conta a filha de Irene, Elisa Colares, do Distrito Federal. Em um dia qualquer, elas encontraram o vestido ao acaso e ele estava branco como novo.

Elisa se casou em 2010, com o vestido originalmente usado pela mãe, Irene, em 1973 Foi difícil convencer Irene, uma costureira nata, a não fazer um vestido para a filha. Por sorte, um baú com retalhos originais estava guardado no armário O casamento de Maria Clara, em 2010, foi 'colaborativo'. A sogra, com muita delicadeza, ofereceu o vestido e a noiva aceitou Regina, em 1973, com o vestido original, hoje guardado pela nora Angelica Morais se casou em 2008 com o vestido da mãe, Lenir, e surpreendeu as tias e o pai ao entrar no altar Lenir no altar, com o vestido, em 1973 Mas Angelica deu seu toque pessoal ao look, calçando tênis All-Star

A costureira nata, de primeira, não gostou muito da ideia. Irene sempre planejou fazer também o vestido de sua filha, como mandava a tradição. De tanto Elisa insistir, Irene acabou cedendo. O vestido, de algodão e renda nordestina, precisava só de uns ajustes para ficar mais confortável.

O destino ainda entregou a mãe e filha, de bandeja, um baú com sobras da renda e tecidos usados no vestido feito em 1973. Ela ajustou a barra e as mangas e guardou o segredo para o dia do casamento dando um toque a mais de emoção à cerimônia. Elisa se casou em 2010.

Como a segunda mãe
A história de Maria Clara Stoqui, de São Paulo, é bem diferente. Sem a intenção de investir muito na comemoração, ela fez uma festa colaborativa, em que amigos e familiares participaram ativamente. A amiga artista plástica ceramista fez as lembrancinhas, a prima que trabalha em uma indústria de bebidas cedeu o whisky.

“Dentro desse conceito, minha sogra, Regina, chegou e, delicadamente, ofereceu o vestido de noiva dela”, lembra Maria Clara. Sem compromisso, ela foi dar uma olhada no modelo de 1977 – e ele estava intacto. Para adaptá-lo, tirou as mangas e a gola e revestiu uma parte com renda. Mesmo aderindo ao presente da sogra, Maria Clara acabou seguindo uma história de família.

Sua mãe se casou com um vestido emprestado de sua prima, que morava no Rio de Janeiro. Sem pensar ou ver o modelo, ela já aceitou, usou o vestido e depois devolveu. Regina teve uma filha, mas ela não se casou da maneira tradicional. Com a nora, ela teve a chance de ver seu vestido subindo mais uma vez ao altar, em 2010. “Gostei muito de ter me casado com o vestido dela, porque a considero como uma segunda mãe”, conta.

Agora reformado, o mesmo modelo ficou com Maria Clara, que pretende mantê-lo perfeito por mais muitos anos.

Fonte: http://delas.ig.com.br/noivas/vestidoseacessorios/noivas+se+casam+com+vestidos+das+maes/n1596831213342.html#6

1 comentários:

Bibi _papodenoivas.com.br disse...

Que histórias lindas ... amei!

bem o meu vestido não é o da minha mãe, pois o dela foi alugada na época que casou, mas é inspirado, será com rendas e babados como o dela e usarei um véu igual o da minha mãe ... além do casamento no civil ser no dia do aniversário dela!

Já imagina ela está no céu com isso!

Postar um comentário